When:
24 August, 2020 @ 14:12 – 15:12
2020-08-24T14:12:00+01:00
2020-08-24T15:12:00+01:00


Atividade do Serviço Educativo

Em parceria com o Centro de Estudos de Teatro FLUL
 
Público-alvo
Estudantes e profissionais das Artes Performativas
Inscrições até 21 out
 
24 de outubro · sáb · 10h-13 e 14h30-17h30
25 de outubro · dom · 10h-13h

 
Inscrição
Geral: 50 euros
Estudante: 40 euros
 

Informações e inscrições:
239 714 013
912 511 302
info@oteatrao.com

Casa Aberta Regresso aos públicos

com Maria João Brilhante e Miguel Abreu

 
Público ou públicos? A questão vem de longe como veremos. Que fazer com ele(s)? Seduzi-los? Ignorá-los? Houve até quem, nos idos de 60 falasse de não-público. Podem artistas, programadore/as, director/as de estruturas de criação não pensar em quem decide frequentar salas de espectáculo e museus e colocar-se perante criações artísticas para se divertir, descobrir ou aborrecer? Pensemos no que fazer com todos eles (ou com alguns apenas…). Que equívocos ou felizes encontros nascem desse tempo partilhado? Na próxima sessão da Casa Aberta, Miguel Abreu e Maria João Brilhante trazem pontos de vista controversos, experiências comprovadas e algumas intuições para discutir. E convidam cada participante a colocar-se no lugar do(s) público(s) para lançar mais achas para a fogueira deste debate tão político quanto cultural.
 

Miguel Abreu
ator, encenador e produtor, estudou Direito, na Universidade Católica Portuguesa e Teatro (Formação de ator), na Escola de Circo Mariano Franco, atual Chapitô. Em 1987 criou a produtora cultural CASSEFAZ onde tem trabalhado até hoje, tendo produzido mais de 120 espetáculos de Teatro, Dança e Música. Em 1989 criou o CENTA-Centro de Estudo de Novas Tendências Artísticas, em Vila Velha de Ródão e em 1990 é co- fundador do Fórum Dança. Desde 1999 é presidente da Academia de Produtores Culturais. Foi Diretor artístico e organizacional do Maria Matos-Teatro Municipal entre 1999 e 2004, Programador de Teatro no Centro Cultural de Belém entre 2000 e 2004 e Diretor Geral de Produção e Programador de Teatro de Faro 2005-Capital Nacional de Cultura. Em 2009 cria para a Câmara Municipal de Lisboa o Festival TODOS-Caminhada de Culturas, que dirige até à data, e no qual assume a Direção Geral e, também a co-programação artística. É autor coordenador do Guia das Artes do Espetáculo I, do Guia das Artes do Espetáculo II, do GAVE-Guia das Artes Visuais e do Espetáculo e do MOpEC (Mapa Orientador Para Empreendedores Criativos). Atualmente, tem em cena os espetáculos “Paiaçú”, “Cartas do Novo Mundo”, “Fragmentos do Fim” e “Consentim(i)ento-A Perda do Paraíso” com encenação sua, e no âmbito das produções da Cassefaz e da Academia de Produtores Culturais. Desde 1991 tem sido professor de Produção, Programação e Animação Cultural na Universidade Nova de Lisboa, Escolas Superiores de Teatro e de Dança de Lisboa, ISCTE, entre outras instituições de Ensino Universitário e Politécnico em Lisboa, Porto, Faro e Funchal a par de dezenas de workshops sobre as mesmas matérias em Portugal, Espanha, Bélgica, Marrocos, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe e a convite do Ministério da Cultura de Portugal, autarquias, Organização Internacional do Trabalho, etc. etc.

 

Consulte Plano de Contigência COVID-19 da OMT